O que é um Cronista?

O que é um Cronista? Amigos perguntam-me como escrevo minhas crônicas, qual é o meu método, o que é, afinal, uma crônica? ...

Amigos perguntam-me como escrevo minhas crônicas, qual é o meu método, o que é, afinal, uma crônica? Escrevo minhas crônicas de uma assentada. Não tenho método de trabalho. Sou um indisciplinado. Às vezes as escrevo nas horas de maior barulho, naqueles quinze minutos de movimentação ao meu redor, quando me desligo, ponho o papel na máquina e solto a franga, isto é, a inspiração. Com a inspiração libertada e a emoção captando o sentimento represado, os dedos caem aos montões na Olivetti.

Aí vem o que acho mais difícil: disciplinar o que escrevo, pois são tantas as palavras querendo ocupar um lugarzinho no texto. Dizia-me o poeta e cronista Brasigóis Felício que o poema só se faz sangrando. Eu também diria que a crônica tem muito a ver com o poema, pois sua estrutura, a sua elaboração, exige também um pouco de sangramento. Sangramento aqui explicado no sentido de dor, emoção, ternura, paixão, enfim, todos esses sentimentos que sufocam a ânsia de viver.

Quando estou elaborando minhas crônicas, visto os parâmetros emocionais, ponho minha vida em ré, entro em levitação e passo a conversar com os deuses, ou melhor, com as deusas. É um momento solene para mim. Cada crônica tem sabor de poema, porque é feita com muita ternura, em minutos de recolhimento. Mesmo quando busco a memória escondida no poste esquerdo do passado, como uma lembrança, um vulto querido, um grito, uma fala – tudo que evoca saudade, sentimento – é possível transportar às páginas da crônica, desde que eu esteja paramentado, isto é, embriagado pelos fluídos da emoção. Emoção que rima com solidão. Pois o escritor é, essencialmente, um homem resignado à solidão. Um homem que carrega consigo um deserto e, quanto mais se expõe à selva do asfalto, com suas ideias, mais ele se fecha no quarto-crescente de suas dores emocionais.

O cronista é aquele escritor que sai de lanterna na mão alumiando vida e redescobrindo novos caminhos. Um fato, um gesto, uma lágrima furtiva, um sorriso, uma menina abandonada na Praça Cívica de nossos olhos, tudo se transforma nas letras desse reinventor da vida. O cronista é um homem comum, que tem o dom de ver o cotidiano com os olhos da emoção.

* Crônica publicada no livro “Crônicas da Campininha 3ª edição”, de José Mendonça Teles.

José Mendonça Teles, nascido em 25 de Março de 1936 é historiador, contista, cronista, poeta, ensaísta e autor de mais de 30 obras. Foi presidente da Academia Goiana de Letras, durante 10 anos, do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás de 1992 a 2005, e ex-diretor geral do Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central, da Sociedade Goiana de Cultura. Entre as condecorações, recebeu as Medalhas João Ribeiro e Assis Chateaubriand, da Academia Brasileira de Letras e Medalha Tiradentes, do Governo de Goiás.




    Rede






    Revista


    Idiomas


    Patrocínio

     SICOOB Lojicred Levfort  Laboratório Núcleo Parque Memorial de Goiânia Rádio Táxi ABC Bomlixo

    Parceiros