O brinde do copo que criou a Copa

O brinde do copo que criou a Copa Conheça como e quem inventou a Copa do Mundo

O brinde do copo que criou a Copa

Porque a gente não faz um torneio aberto de futebol entre países?


A ideia não era nova, mas tomou corpo num brinde em um restaurante depois de uma reunião da FIFA entre o embaixador uruguaio Henrique Buero que fez o brinde com Jules Rimet. Este brinde com vinho fino francês no dia 26 de maio de 1928 foi o dia decisivo para criação da primeira copa do mundo.


Na época, a Inglaterra, considerada pátria mãe do futebol moderno, já não disputava a modalidade nos jogos olímpicos, uma vez que seus melhores jogadores eram todos profissionais e o profissionalismo progressivamente adotado nos outros países europeus, a Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Suécia e Suíça já tinham equipes profissionais.


Com a primeira Guerra Mundial que estourou na Europa em 1914 e só acabou em 1918, o futebol ficou praticamente paralisado. Mas em 1920, o francês apreciador de vinho e amigo de vários embaixadores, Jules Rimet conseguiu adesão até da África do Sul para Fifa, como Argentina e vários outros países e dessa forma a entidade Fifa ganhava uma conotação mundial.


O embaixador Henrique Buero ofereceu o Uruguai para sediar a primeira Copa do Mundo, alegando que era a comemoração do centenário da independência nacional.  Outro motivo era o prestígio com a medalha de ouro que os futebolistas uruguaios conquistaram na olimpíada de Paris em 1924.


No dia 08 de setembro de 1928 na Suíça decidiu-se que o torneio seria realizado de 4 em 4 anos, a proposta teve 23 votos favoráveis e 3 contrários. No dia 3 de julho em uma tarde de domingo a França abriu a primeira copa do mundo jogando contra o México, na tribuna Henrique Buero acompanhando sempre de uma garrafa de um bom vinho Francês, sentou-se ao lado de Jules Rimet e os dois que idealizaram a primeira copa do mundo tinham motivos para brindar novamente e dizer que o copo criou a copa.


A frase mais famosa de Jules Rimet é que quem tem a bola ataca e quem não a tem defende-se e o futebol francês baseava-se em deslocamentos e passes rápidos, criando a máxima de que quem se desloca recebe e quem grita tem a preferência.


* Teodoro de Castro Lino, começou sua carreira como jogador de futebol, em 1966. Em 1985 inicia uma nova carreira, agora como árbitro da Federação do Rio de Janeiro chegando ao quadro da CBF, em 1992 ingressa na FIFA. Atualmente é comentarista de arbitragem na TV Anhanguera de Goiânia. Além de diretor da Tecidos Tita e autor de vários livros.




    Rede






    Revista


    Idiomas


    Patrocínio

     SICOOB Lojicred Levfort  Rádio Táxi ABC Bomlixo Laboratório Núcleo Parque Memorial de Goiânia

    Parceiros